Maria Helena Trindade Lopes é Professora Catedrática de História Antiga - Egiptologia na F.C.S.H. - U.N.L.

Dirige o mestrado de História Antiga - área de Egiptologia, desde 1998.

Dirigiu, entre 2000 - 2010, o primeiro e único projecto arqueológico português no Egipto - "Palácio de Apriés, Mênfis".

É autora de várias obras e artigos científicos no domínio da Egiptologia, História Antiga, História das Religiões e História do Mediterrâneo, em Portugal e no estrangeiro.

É membro do Plenário do Conselho Científico do CHAM - Centro de Humanidades e coordenadora do grupo de Investigação: A Antiguidade e a sua recepção.

É membro do Conselho Científico da revista Res Antiquitates, Acta Archaeologica Pultuskiensia e Classica  e membro do Corpo Redactorial do Journal of South Asian Studies e do LightHouse Journals LHJ.

Tem participado, com comunicação, em vários Congressos internacionais de Egiptologia, Arqueologia, História Antiga, História das Religiões e História do Mediterrâneo.

É membro de várias organizações internacionais de Egiptologia, tais como International Association of Egyptologists, Egypt Exploration Society e Egyptian Cultural Heritage Organisation.

É "Reviewer" do Canadian Journal of History - ScholarOne Manuscripts site for online manuscript submission and review.

É membro do conjunto de revisores da European Science Foundation (ESF) e do The Fund for Scientific Research-FNRS (F.R.S. - FNRS) and the Research Foundation Flanders (FWO) in Belgium - 'Excellence of Sciense' (EOS) programme.

Tem participado como "expertise" em vários paineis da ANR (Agence Nationale de Recherche, France)

Foi agraciada com a Medalha de Grande-Oficial da Instrução Pública em 2003.

Actualmente é Coordenadora Executiva do Departamento de História e membro eleito do Conselho da Faculdade.

 

 

Ronaldo Guilherme Gurgel Pereira é desde Fevereiro de 2011 assistente de pós-doutoramento no Instituto Oriental-CHAM da F.C.S.H da U.N.L.

Membro da International Association of Egyptologists.

Doutorou-se em Egiptologia pela Universidade de Basiléia, Suíça, em 2010.

Especialista dedicado ao estudo do pensamento religioso egípcio tardio (da Época Baixa ao período Copta), com ênfase especial ao texto demótico do “Livro de Thoth” e a literatura gnóstica e hermética em geral.

Realiza actualmente uma pesquisa relacionada as colecções egípcias da península ibérica, a fim de construir um corpus documental específico para a Época Baixa (664-332 a.C.), sob financiamento da F.C.T.

Docente para a gramática de egípcio hieroglífico clássico para turmas de licenciatura em História e mestrado em História Antiga (Egiptologia) no F.C.S.H da U.N.L.

Autor de obras e artigos científicos na área de Egiptologia.

Autor do website de Egiptologia e Coptologia www.aegyptologus.com

Membro do corpo editorial e revisor técnico das revistas Hathor – studies of Egyptology e Oriental Studies - Journal of Oriental and Ancient History.

 

 

Susana Mota é licenciada em História pela FCSH-UNL, com Mestrado em História – área de Egiptologia pela mesma Faculdade, com tese defendida dedicada ao tema da Justiça no Egipto antigo.

Encontra-se actualmente a realizar a investigação de Doutoramento sobre a Religião Doméstica no Egipto Antigo, tendo já concluído o Curso de Doutoramento.

É investigadora do IO-CHAM e assistente editorial da revista Oriental Studies – Journal of Oriental and Ancient History.

Participou em diversos congressos e conferências sobre variados assuntos no âmbito da Egiptologia tais como a Piedade Pessoal, a Justiça, a Família, o Amor, a Sexualidade, entre outros.

Tem actualmente vários artigos publicados:

MOTA, S., "Maat. A Expressão do mundo egípcio numa só palavra" In História e-história, Universidade de Campinas, Abril 2010. (https://www.historiaehistoria.com.br/materia.cfm?tb=alunos&id=280)

MOTA, S., "O Sistema Juridico no Egipto Antigo" In Sapiens: História, Património e Arqueologia.[Em linha]. N.º 3/4 (Dezembro 2010), pp. 6-26. URL: (https://www.revistasapiens.org/Biblioteca/numero3_4/o_sistema_juridico_no_egipto_antigo. pdf

MOTA, S., "The Household Religion in Ancient Egypt: Problems and Constraints" In Res Antiquitatis, 2, 2012, pp. 71 – 81.

MOTA, S., "De que falamos quando falamos de Piedade Pessoal no Egipto Antigo?" In Actas do IV Congresso Ibérico de Egiptologia, Lisboa, 13 a 17 de Setembro de 2010. (No Prelo) MOTA, S., “The Household Religion in ancient Egypt: What do the archaeological evidences tell us?” in Hathor – Studies of Egyptology, 1, 2012, pp.pp. 815 - 830.

As áreas de interesse de investigação são a Religião, Cultura, Mentalidades, Justiça, Sociedade, Família, Literatura, Magia e Arqueologia.

 

Guilherme Borges Pires é licenciado em História pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade NOVA de Lisboa e mestre, pela mesma instituição, em História – Área de Especialização em Egiptologia - tendo defendido a dissertação Sentir e narrar o sagrado: em torno da sacralização dos espaços aquático(s) e terrestre(s) do Egipto Antigo. Actualmente, é bolseiro da FCT no quadro do doutoramento em História – Área de Especialização em História Antiga – encontrando-se a desenvolver uma tese subordinada às representações e concepções da divindade criadora nos hinos religiosos do Império Novo egípcio (c. 1550-1069 a.C.). Neste âmbito, frequentou, entre Setembro de 2016 e Dezembro de 2017, a École Pratique des Hautes Études – Centre Wladimir Golénischeff (Paris, França), onde desenvolveu pesquisa bibliográfica e assistiu a seminários da especialidade

É assistente de investigação no CHAM - Centro de Humanidades, integrando o grupo de investigação A Antiguidade e a sua Recepção. É também membro da Association of Students of Egyptology e forma parte do Conselho Editorial da revista Práticas da História - Journal on Theory of History, Historiography and Uses of the Past.

Participou em mais de uma dezena de congressos e encontros científicos, em Portugal e no estrangeiro, e é autor de algumas publicações, de que se destacam:

  • “Rotas de Aproximação à Temática da Sacralização do Espaço no Antigo Egipto” in BERNAL, L. B. LARGACHA, A. P., SAINZ, I. V. (eds.), Actas V Congreso Ibérico de Egiptología. Cuenca 9-12 de Marzo 2015, Colección Estudios 157, Cuenca, Ediciones de la Universidad de Castilla-La Mancha, 2017, pp.235-242
  • “The Study of the Sacred Space in Ancient Egypt: an example of interaction between Egyptology and other Fields of Knowledge”” in TOMORAD, M., POPIELSKA-GRZYBOWSKA J. (eds.), Egypt 2015: Perspectives of Research. Proceedings of the Seventh European Conference of Egyptologists. 2nd-7th June 2015, Zagreb, Croatia, Oxford, Archaeopress, 2017, pp.51-56.
  • “The Egyptian land-based layer: Between god(s), cosmic sacredness and fertility beliefs” in CHYLA, J.M, DEBOWSKA-LUDWIN, J., ROSINSKA-BALIK, K., WALSH, C. (eds.), Current Research in Egyptology 2016. Proceedings of the Seventeenth Annual Symposium. Jagiellonian University, Krakow, Poland. 4-7 May 2016, Oxford & Philadelphia, Oxbow Books, 2017, pp.150-158.
  • “Aquatic Symbolism in Ancient Egypt” in POPIELSKA-GRZYBOWSKA, J., IWASZCZUK, J. (eds.), Thinking Symbols. Interdisciplinary Studies, Acta Archaeologica Pultuskiensia Vol. VI, Pultusk, Pultusk Academy of Humanities, 2017, pp. 231-239.

Como interesses particulares de investigação e reflexão, elege a literatura, religião e sistemas de poder no Egipto Antigo, articulando as realidades estritamente egípcias com estudos teóricos no âmbito de áreas mais abrangentes, como a História das Religiões ou a Teoria da História.

 

Jessica Alexandra Monteiro Santos é licenciada em História e mestre em História (área de especialização em Egiptologia) pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Actualmente é bolseira da FCT e frequenta o curso de Doutoramento em História (área de especialização em História Antiga) na mesma instituição.

É assistente de investigação do grupo "A Antiguidade e a sua Recepção" do CHAM e membro da Association of Students of Egyptology, da Society for the Study of Childhood in the Past e, desde 2017, da equipa da Polish-Egyptian Archaeological and Conservation Mission at the Temple of Hatshepsut at Deir el-Bahari (Egypt).

A sua investigação foca-se em temáticas relacionadas com a criança no Egipto Antigo, em particular com a protecção mágica e, mais recentemente, com os sepultamentos infantis em espaços domésticos.

É autora de uma dissertação intitulada "A Protecção Mágica da «Primeira Infância» no Egipto Antigo" e tem vindo a participar em congressos internacionais, quer em Portugal, quer no estrangeiro, e a publicar artigos subordinados ao tema da sua investigação.

 

Marcus Carvalho Pinto atualmente frequenta o curso de doutoramento em História (área de especialização em História Antiga) pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. É mestre em História (área de especialização em Egiptologia) por esta mesma instituição e licenciado em História (área de especialização em Arqueologia) pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

É assistente de investigação do grupo “A Antiguidade e a sua Receção” do CHAM – Centro de Humanidades, desde 2013, e membro da Association of Students of Egyptology, desde 2017. Atualmente possui uma bolsa de investigação do CHAM. 

A sua investigação atual centra-se em temáticas relacionadas com a ideologia, identidade e memória cultural, através da literatura do Império Médio.

É autor de uma dissertação intitulada “‘Confraternizai com Sua Majestade no Vosso Coração!’ – O Fenómeno Lealista no Império Médio Inicial”. Participa regularmente em congressos internacionais de Egiptologia, quer em Portugal, quer no estrangeiro, publicando artigos relacionados à sua investigação. Possui experiência em arqueologia, tendo igualmente estagiado em museus. Tem participado na organização de cursos livres voltados ao ensino do egípcio hieroglífico e de aspetos gerais da história e cultura egípcia antiga.

 

Bárbara Botelho Rodrigues é licenciada em História pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Mestranda em Egiptologia na mesma instituição, encontra-se neste momento a terminar a sua dissertação de mestrado, subordinada ao tema do mito do herói na literatura egípcia.

É também assistente de investigação no CHAM (Centro de História d’Aquém e d’Além-Mar), fazendo parte do Grupo de Investigação A Antiguidade e a sua Recepção.

Ao longo de 2015 participou em diversos congressos internacionais, tendo apresentado as seguintes comunicações:

- “O Mito de Osíris – Análise de um Mito de Herói Egípcio” (V Congresso Ibérico de Egiptologia, Cuenca – Espanha)

- “Is There an Egyptian Hero? – The Contributions of Mythological and Literary Studies to an Egyptological Study” (VIIth European Conference of Egyptologists, Zagreb – Croácia)

- “Osiris – One Deity, Many Symbols” (Third Interdisciplinary Conference: Thinking Symbols, Pultusk – Polónia)

- “The Memnon Colossi: A Summary of its History Through Time” (II CHAM International Conference, Lisboa – Portugal).

Integrou a comissão organizadora do Colóquio Internacional Na Fronteira entre o Mito e a História – Representações do Espaço e do Poder na Antiguidade, realizado no âmbito do grupo de investigação A Antiguidade e a sua Recepção, que teve lugar na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas nos dias 23 e 24 de Abril de 2015. Desempenhou também funções como assistente de edição de um livro de resumos publicado em formato digital por ocasião do colóquio.

 

 

 Catarina Miranda é licenciada em história pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Actualmente é mestranda em História (Egiptologia) na mesma instituição.

 

 

André Patrício é licenciado em Psicologia Clinica, vertente Cognitivo-Comportamental e Integrativa, pela Faculdade de Psicologia da Universidade de Lisboa.

Mestre em Egiptologia, com a dissertação subordinada ao tema “O mobiliário no contexto doméstico e ritual no Antigo Egipto: Império Novo”. Actualmente é doutorando em História, especialização de egiptologia.

É assistente de investigação no CHAM - Centro de Humanidades e membro de diversas organizações internacionais de Egiptologia, entre elas International Association of Egyptologists, The Egypt Exploration Society e Associação Portuguesa de Egiptologia.

É autor de algumas publicações:

Patrício, A., “Two New Kingdom Chairs: Their role in the World of Horus and in the Realm of Osiris” in Oriental Studies - Journal of Oriental and Ancient History, 1, 2012, 55-78.

Patrício, A., Review of Lopes, M. H.T., Mênfis: O rosto de Apriés (Lisboa: Tinta-da-China, 2010) in Hathor – Studies of Egyptology,1, 2012, 187-190.

Patrício, A., Review of Hagen F., New Kingdom Ostraca from the Fitzwilliam Museum, Cambridge (Culture and History of the Ancient Near East 46, Leiden: Koninklijke Brill NV, 2011) in Hathor – Studies of Egyptology,1, 2012, 183-186

Tem como principais áreas de interesse:

O estudo do mobiliário doméstico, seus materiais, técnicas de construção e simbolismo;

Mitologia, Religião, Magia e sua integração na existência da Civilização do Antigo Egipto;

O estudo dos complexos funerários do Império Novo;

O estudo gramatical de egípcio hieroglífico do Império Médio.

 

 

Pascal Vernus é Director de Estudos na École Pratique des Hautes Études, Paris IV.

Um dos mais emblemáticos e reconhecidos egiptólogos do mundo, colabora com a F.C.S.H. há mais de 25 anos, leccionando no mestrado de egiptologia, proferindo conferências e participando em Colóquios ou Congressos Internacionais.

É autor de mais de 20 livros e de mais de 400 artigos no domínio da egiptologia.

Participou em vários projectos arqueológicos no Egipto e ocupou vários cargos em Instituições internacionais ligadas à Egiptologia: Conselho Nacional de Investigação, Conselho Científico e Conselho de Administração do IFAO (Cairo), da École Pratique des Hautes Études, Comité de Paleografia Hebraica, Comité da Sociedade Francesa de Egiptologia, Comité de Edição da Revista de Egiptologia e da Língua Aegyptiaca, Presidente da Sociedade de Linguística de Paris, etc.

Foi professor visitante e participou em júris em várias universidades europeias e americanas: Yale,Liège, Genebra,Colónia, Baltimore, Filadélfia, Nova Iorque, Roma, Lisboa, Madrid, Barcelona, Berlim, Bruxelas, Lovaina, Basileia, Milão.

Foi agraciado com o prémio Maspero pela Academia das Inscrições e Belas Letras, em 1982.

Foi agraciado como Cavaleiro, em Julho de 1993 e, como Oficial da Ordem das Palmas Académicas, em Julho de 1998.